Morre o baterista Ginger Baker, um dos gigantes do rock

Marina Martini Lopes
Por Marina Martini Lopes
Editora
Ginger Baker em registro de 2015

BLOG

Mundo Itapema

Músico de 80 anos integrou o Cream ao lado de Eric Clapton e Jack Bruce

Ginger Baker, baterista que fez parte do grupo de rock britânico Cream, morreu aos 80 anos, anunciaram seus familiares pelo Twitter neste domingo (6): "Estamos tristes por anunciar que Ginger faleceu, em paz, no hospital esta manhã. Obrigado a todos por sua gentis palavras nas últimas semanas", diz o comunicado publicado no perfil do músico. A causa da morte não foi informada.

Baker integrou o Cream ao lado do baixista Jack Bruce (1943-2014) e do guitarrista Eric Clapton, formação que consagrou a definição de power trio para designar conjuntos caracterizados pelo virtuosismo de seus músicos e a força de sua produção sonora, reunindo os três instrumentos essenciais do rock. O Cream esteve ativo entre 1966 e 1968, arrebatando seguidores com sua mescla de blues, psicodelia e hard rock, gênero que ganhava corpo à época. O trio fez reuniões eventuais em 1993, quando passou a figurar no Rock and Roll Hall of Fame, e em 2005, ao fazer uma série de antológicas apresentações no Royal Albert Hall, em Londres.

Jack Bruce, Ginger Baker e Eric Clapton na reunião do Cream em 2005Foto: Divulgação

Nascido em Lewisham, bairro no sudoeste da capital inglesa, em 1939, com o nome Peter Edward Baker, o baterista deu seus primeiros passos no mundo do jazz britânico, que, à época, abria-se para o rhythm'n blues. Em 1962, substituiu Charlie Watts, que se incorporou aos Rolling Stones, no grupo de Alexis Corner.

Baker se tornou uma lenda com o Cream, destacando-se por seus longos solos de bateria e um estilo próprio de tocar o instrumento. Após a dissolução do supergrupo, que lançou quatro discos, incorporou-se ao Blind Faith e logo depois fundou a Ginger Baker's Air Force - junto com, entre outros, Stevie Winwood -, grupo que combinou rock psicodélico com toques de rythm'n blues, folk music, cantos indígenas e percussões africanas.

Nos anos 1970, Baker foi um dos primeiros artistas a mostrar interesse pela música africana. Passou temporadas em Lagos, na Nigéria, onde instalou o estúdio de gravação que revelou músicos locais e também abrigou astros como Paul McCartney, que nele gravou faixas de seu clássico Band on the Run (1973). Nos anos 1980, Baker fundou uma escola de bateria em Milão e, depois disso, mudou-se para a Califórnia, dedicando-se ao funk e ao afrojazz. Entre seus discos mais conhecidos, está Going Gack Home, de 1993, gravado com o guitarrista Bill Frisell e o contrabaixista Charlie Haden.

Assista ao Cream tocando Sunshine of Your Love na reunião de 2005:

*por GaúchaZH

Matérias Relacionadas