Ouvir 78 minutos de música todos os dias traz benefícios para a saúde mental

18.11.2019 | 13h10 - Atualizada em: 18.11.2019 | 13h06
Marina Martini Lopes
Por Marina Martini Lopes
Editora
O estudo analisou como as pessoas usam música para processar as próprias emoções

BLOG

Mundo Itapema

Segundo um novo estudo, existe um tempo mínimo de audição para garantir os efeitos positivos da música no cérebro

Vitaminas, nutrientes, exercício físico... E música. Há muito se sabe que ouvir música pode ajudar a mente a relaxar, aumentando os níveis de felicidade e diminuindo os de stress - mas, agora, um novo estudo, realizado em parceria pelo serviço de streaming Deezer e a Acadêmia Britânica de Terapia do Som, foi mais fundo nessa história: segundo a pesquisa, realizada com 7,5 mil pessoas, os benefícios só são sentidos a partir de um tempo mínimo diário de audição de música - e diferentes estilos musicais podem ter diferentes efeitos, como superar a tristeza ou aumentar o poder de concentração.

O estudo analisou como as pessoas usam música para processar as próprias emoções: 90% dos participantes afirmaram que ouvem música quando sentem que precisam relaxar; enquanto 82% dizem se sentir mais felizes ao som de suas canções favoritas. Cerca de 47% das pessoas relataram ouvir música em momentos tristes, justamente para se distrair dos sentimentos de angústia e melancolia; e 28% chegaram a garantir que a música os ajuda a controlar a raiva. Já para 32%, a atividade é um ótimo auxiliar na hora de se concentrar em alguma atividade específica.

Não basta, porém, dar play em uma ou outra faixa para sentir alguma diferença: a pesquisa cravou em 78 minutos o tempo mínimo diário para que alguém comece a sentir os efeitos positivos de ouvir música. Tem mais - cada efeito desejado específico tem seu próprio "tempo mínimo" para entrar em ação: 14 minutos de músicas animadas, felizes, com letras positivas e batida acelerada, ajudam o ouvinte a se sentir mais feliz; enquanto o efeito calmante das músicas mais relaxadas só vem depois de 16 minutos de audição. A concentração só é atingida depois de 15 minutos ouvindo canções calmas, mas positivas - músicas tristes podem ter o efeito contrário. E o estilo musical não parece influenciar quando se quer superar a tristeza ou controlar a raiva: o gênero favorito do ouvinte parece ser o mais indicado em ambos os casos.

Lyz Cooper, da Acadêmia Britânica de Terapia do Som, escreveu, na publicação do estudo: "Há certas propriedades da música que afetam a mente e o corpo. Dedicar tempo para ouvir faixas que disparam diferentes emoções pode ter um impacto imenso no nosso bem-estar e na nossa saúde mental. Ouvir canções felizes, por exemplo, aumenta a atividade nas áreas do cérebro associadas à sensação de recompensa, e diminui na amígdala, parte do cérebro associada ao medo."

Os participantes do estudo também afirmaram que, de modo geral, em dias em que ouvem música, se sentem mais satisfeitos com a vida (86%), mais cheios de energia (89%) e mais propensos a rir (65%). Aliás, a música pop foi a mais associada a sentimentos de alegria e felicidade - já a música clássica foi a mais eficaz na hora de produzir relaxamento; seguida, talvez curiosamente, pelo rock. Rock e heavy metal aparecem no topo quando o objetivo é controlar sentimentos de raiva. Músicas relaxantes ajudam a reduzir a tensão muscular (em 79% dos casos) e até a dormir melhor (82%).

Algumas músicas específicas citadas pelo estudo foram Happy, de Pharrell Williams, como a canção que mais ajudou os participantes a se sentirem felizes (seguida por Sing, de Ed Sheeran, e Dancing Queen, do Abba); e Highway To Hell, do AC/DC, como a faixa favorita pela maioria das pessoas em momentos de raiva (seguida por músicas de Rammstein, Metallica e Mozart).

Matérias Relacionadas