Podcast 'Everything Is Alive' desvenda a alma humana ao entrevistar objetos

26.11.2019 | 17h00
Por Anna Rios
'Everything Is Alive'

BLOG

Universo Compartilhado

"Everything Is Alive" é um programa de entrevistas em inglês

Neste que tem sido considerado o ano do podcast, é arriscado dizer que já se viu de tudo. Mas, quando o assunto é "Everything Is Alive", a inovação é tão grande que vale até arriscar a avaliação precipitada e dizer que não, não há nada parecido nas plataformas. Nem parecido, nem tão bom.

Criado em julho de 2018 pela americana Radiotopia, "Everything Is Alive" é um programa de entrevistas em inglês, com o diferencial de que seus convidados são objetos inanimados. Nos 21 episódios, o apresentador e criador Ian Chillag recebe no estúdio alimentos, itens de decoração, partes do corpo.

Na descrição, é garantido que não há roteiro pré-estabelecido -e, seja ou não verdade, quer as conversas sejam ensaiadas ou improvisadas, o resultado é nada menos que fenomenal.

Objetos como um travesseiro, um dente e um estetoscópio ganham nomes próprios (o teste de gravidez se chama Emmy) nas sinopses e, dado o talento dos atores convidados para interpretá-los, estimulam a fantasia a tal ponto que é possível imaginar seus rostos. Humanos, obviamente.

À primeira vista, pode parecer um podcast cômico. Há, de fato, incontáveis passagens hilárias, como aquela em que o banco de metrô Sean fala que os traseiros são a janela da alma. Ou quando Tara, o sabonete em barra, relembra quando libertou a cabeça de uma garotinha do portão.

Mas a mesma Tara também traz um dos principais brilhos do podcast: sua capacidade dramática de observação da psique humana. "Sou amarga", se auto avalia o sabonete. Para ela, os melhores momentos são quando "alguém canta no chuveiro". E o pior dia de todos foi "uma punição" -é preciso ouvir seu programa, sem spoilers, por favor.

Louis, a lata de refrigerante "similar à Coca-Cola", se define como "o melhor dos piores" e se diz confortável com o fato de viver na prateleira mais baixa da seção de bebidas.

O melhor episódio é o das bonecas russas Sebastian, Alex do Meio e Pequena Alex. Num sensível debate acerca das relações familiares e questionamentos bem adultos sobre identidade, os irmãos relembram o único dia em que Sebatian ficou sozinho e a sensação de estarem bêbados quando têm suas partes encaixadas errado.

Por volta da metade dos programas, com cerca de 20 minutos cada, há sempre uma entrevista com alguém, digamos, de verdade, escolhido por sua relação com o tema tratado na história.

Jacaré, um bicho de pelúcia fã de Bob Esponja e da série "Law and Order", teme mais que tudo se perder da família, a exemplo do que aconteceu com seu amigo "O Cobertor". Neste caso, Chillag entrevista a responsável pelo setor de bagagens esquecidas em aviões.

"Eu sei o que o Cobertor está fazendo hoje em dia, mesmo depois de tanto tempo. Ele está esperando", assegura Jacaré. "É a única coisa que há para se fazer quando isso acontece."

De cortar o coração, e aplaudir de pé. 

Por GaúchaZH

Matérias Relacionadas